sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

INFORMAR OU ALARMAR?

As pessoas andam cada vez mais preocupadas e deprimidas com todo este drama criado à volta da tão famigerada crise. A comunicação social, sobretudo os noticiários têm uma imensa responsabilidade ao fomentar as preocupações já existentes, pois aquilo a que prestamos atenção determina o medo que temos. Às vezes parece que um dos papeis da comunicação social é assustar-nos. Talvez esta seja apenas uma forma de prender a nossa atenção, mas muitas histórias parecem mais destinadas a alarmar do que a informar.
Propositadamente ou talvez não!!!!!!

Então o que fazer perante tanta desgraça ou pior ainda sobre a especulação das profecias da desgraça que antes de ser já o eram?

Não seja masoquista desligue o botão e deixe os profetas da desgraça sem publico!!!!!!!

Não dê mais do seu tempo e da sua atenção a um pequeno grupo de pessoas que sem qualquer razãpo aparente, foi seleccionado para nos dizer o que pensar sobre este "Show de noticias macabras" a que dão o nome de informação e onde nos estão a afogar.

A nossa mente tem uma grande capacidade de absoção, mas é finita. Se a preenchemos com lixo , fica pouco espaço ou quase nenhum para as coisas importantes.

Já se perguntou o porquê de um país como o Japão não ser atacado pelas famosas agências de rating?

Porque os japonoses não o tolerariam simplesmente!!!!!

Quem empresta dinheiro ao estado são os seus cidadãos e quem lucra com os juros pois está claro também são os seus cidadãos (lá o estado é considerado pessoa de bem para que conste).
Resultado a riqueza fica no país não se evapora e gera por sua vez riqueza.

Que tal nesta quadra natalicia refletirmos, não nos deixarmos abater, não sermos passivos mas sim reativos e proativos.

A todos um feliz Natal e um 2012 com a determinação de viver o melhor que pudemos e sem medo, sem preocupações obcessivas.

Permita-se ser feliz, pois a felicidade exige a capacidade de tolerar a incerteza.

"A Melhor mensagem de Natal é aquela que sai em silêncio de nossos corações e aquece com ternura os corações daqueles que nos acompanham na nossa caminhada pela vida".

5 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

Este dado acerca do Japão eu desconhecia, bom seria o Brasil copiar.

Fernando Vasconcelos disse...

Propositadamente? Certamente. Porque vende mais do que a felicidade. Na melhor das hipóteses. Na pior delas porque há quem deseje aproveitar esta "crise" para enriquecer. Ainda pior porque existirá quem deseje aproveitar a "crise" para destruir o estado relativamente igualitário que se construiu a partir da década de 30 do século 20 em alguns países da Europa. Ah mas desculpe, esqueci-me que era suposto esquecermos isto por instantes. Verdade - há vida para além da crise, sempre.

Sandro Quintana - Andarilho® disse...

Seria fácil dizer o bordão "desgraça vende mais do que boas notícias", mas é preciso refletir no porque isso acontece. Quando as pessoas ficam apenas absorvendo desgraças, elas podem dizer que nada pode ser feito, que o mundo é assim mesmo, e isso justifica a sua própria passividade diante da vida.
Ser positivo, ter esperança de mudanças melhores, mesmo diante das incertezas, é algo que exige coragem.

jms disse...

Adoro, simplesmente fantástico, há muito tempo que desliguei o tão famoso botão e lá em casa chamo a esse aparelho carinhosamente a doença. :)
Um abraço forte e ainda bem que alguém denuncia isto, eu faço o mesmo ;)

palavrasquesaemdaboca disse...

Cara.. a tv, as informações, esse conhecimento, os jornais.. são uma praga que condiciona o nosso pensamento. É indignante ver que as pessoas nao enxergam isso. Quanto mais veem essas coisas na tv, maior o medo de sair nas ruas, maior a desconfiança entre as pessoas. talvez a verdade nao seja assim, TAO INSANA. Mas, qto mais aumenta o medo, mais aumento o sofrimento. quanto mais sofrimento, maior a tendencia das pessoas acordarem. Então, olhando por outro ângulo, isso pode se tornar algo a favor da nossa consciência num futuro breve! abraços!