quinta-feira, 7 de maio de 2009

Gunther Von Hagens causa escândalo



"O Mundo dos Corpos" é o nome da exposição da autoria do anatomista alemão Gunther Von Hagens, que abrirá ao público dia 7 de Maio, em Berlim e promete polémica nos próximos dias porque se tornou público que uma das esculturas corresponde a um casal de cadáveres em acto sexual.


Os pedidos para que a dita escultura deixasse de fazer parte da exposição vieram sob a forma de critica e pressão de vários quadrantes da sociedade, política e também da religião, que em nome da moralidade, consideram inconcebível que este tipo de esculturas seja colocado à vista do público.


Bem, sem dúvida que imoralidade há muita por esse mundo fora e exposta de várias formas e esses mesmos críticos ignoram ou simplesmente fecham os olhos a essa realidade. O facto dos cadáveres estarem numa pose sexual é muito subjectivo de interpretação porque a maldade e a indecência estão na cabeça de quem vê e interpreta as obras de arte.


Tantas obras de arte que representam o nu por esse mundo fora, grandes obras que tiveram o seu apogeu na era Renascentista e agora, em pleno séc. XXI surgem estas críticas, que mais parecem uma censura à liberdade de expressão de um artista. Talvez mais imoral seja o facto de existir miséria por todo o mundo e existir pessoas que infelizmente não têm forma de tapar o seu corpo com roupa, tal o nível de pobreza extrema que existe por esse mundo fora. Sobre esta imoralidade existe pouca pressão e pouca critica, critica que seja audível.
Criticam a imoralidade na arte, mas não criticam que muito pior pode ser visto através da Internet, à distância de um clique e entrarmos no reino da pornografia livremente, com sites de origem duvidosa.


Além do mais, existiu o cuidado de colocarem a dita escultura numa sala à parte e do acesso à exposição ser para maiores de 16 anos e os restantes terem a autorização dos pais. Por estas atitudes de cuidado para com o público visitante, que só irá visitar de livre vontade, não existe qualquer razão concebível para tantas críticas.


É natural que uma escultura destas esteja presente na referida exposição, dado que, esta faz parte de uma amostra da evolução da vida humana e das várias fases pela qual passa o corpo do ser humano. Acaba por ser uma exposição para auto-reconhecimento do nosso desenvolvimento. O acto sexual é um acto natural humano como necessidade física e como meio de garantir a continuidade da espécie humana.


(noticia extraída do JN)


Nota: A plastinação é uma técnica para a conservação de cadáveres desenvolvida por Gunther Von Hagens há já algumas décadas, no instituto de Anatomia de Heidelberg, na Alemanha. Este método consiste em substituir substâncias orgânicas de corpos mortos por materiais plásticos (silicone, resina de epóxi e poliéster), o que permite que os materiais molhados do corpo adquiram plasticidade, ou seja, permaneçam maleáveis, inodoros e secos.

1 comentário:

lumenamena disse...

É falsa moralidade, claro! Não se trata de impedir menores e pessoas sensíveis de verem a escultura. A questão é de tentarem, esses falsos moralistas, impedir-nos, a todos, de a ver. E isso não devemos aceitar.